As 15 redes de metro mais complexas do mundo

26 Fevereiro, 2016.

As 15 redes de metro mais complexas do mundo

Um estudo conduzido por investigadores de diferentes universidades europeias analisou os sistemas de transportes urbanos de várias cidades do mundo com o objetivo de quantificar e caracterizar as dificuldades crescentes de navegação por parte dos utentes. Os investigadores debruçaram-se, em particular, sobre as 15 maiores redes de metropolitano do mundo.

Riccardo Gallotti, Mason Porter e Marc Barthelemy, do Instituto Francês de Física Teórica, Centro de Matemática Industrial e Aplicada do Instituto de Matemática da Universidade de Oxford / Centro de Redes Complexas Dinâmicas Baseadas em Agentes (CABDyN) e do Centro de Análise e Matemática Sociais da Escola de Estudos Avançados em Ciências Sociais, respetivamente, foram os autores do estudo.

Foram analisadas as diferentes transições e estratégias de navegação nas 15 redes (as maiores do mundo em número de estações), de grande dimensão e complexidade, com o objetivo de compreender a sobrecarga cognitiva a que os utentes estão sujeitos diariamente.

As grandes metrópoles e os seus sistemas de transporte, cresceram de tal forma nos anos mais recentes, que o seu nível de complexidade conflitua com a capacidade de processamento da mente humana no que diz respeito à orientação e navegação.

Idealmente, a representação esquemática pública das redes não deveria possuir mais de 250 nós de ligação para ser lida, de forma fácil, pelo utilizador. O que se verificou, foi que isto quase nunca acontecia em redes de grandes cidades como Nova Iorque, Paris ou Tóquio.
Se tivermos em conta o âmbito intermodal dos trajetos urbanos, este problema agrava-se ainda mais.

Os investigadores concluíram que, a maximização do número de interseções entre linhas, que permite minimizar a necessidade de os utentes efetuarem transferências, tem um efeito extremamente nefasto no que diz respeito à usabilidade do sistema.
Nesse âmbito as ferramentas avançadas de tecnologias de informação desempenham um papel importante, e em certos casos imprescindível, na navegação dos utentes pelos sistemas de metropolitano.

O estudo permitiu concluir igualmente que o sistema de metropolitano mais complexo do mundo, em termos de sobrecarga cognitiva é o metro de Nova Iorque (na segunda imagem).
Outros sistemas com elevada complexidade são o metro de Paris, seguido dos metros de Tóquio (na primeira imagem), Londres, Madrid, Barcelona, Moscovo, Seul, Xangai, Cidade do México, Berlim, Chicago, Osaka, Pequim e Hong Kong.

Fonte: “Lost in transportation: Information measures and cognitive limits in multilayer navigation” – Riccardo Gallotti, Mason A. Porter, Marc Barthelemy; Baseado no artigo original de Eric Jaffe – CityLab | Imagens (adaptadas): via Metropolitan Transportation Authority (MTA); Tokyo Metro




Outros artigos interessantes:




Comentar

* Obrigatório