EUA Apostam no Aproveitamento em Larga Escala da Energia das Ondas

5 Setembro, 2012.

Aproveitamento da energia das ondas

O ano de 2012 tem sido o ano de lançamento para a indústria de aproveitamento da energia das ondas nos Estados Unidos da América. Uma série de projetos prometedores, em diversas fases de desenvolvimento, avançam com forte financiamento governamental e privado. Mas esta é uma altura delicada, em que uma falha no desempenho ou fiabilidade dos sistemas pode originar a perda de interesse das grandes companhias e do Governo.

Em Outubro terá início a produção comercial do primeiro dispositivo de aproveitamento de energia das ondas com licença para ser ligado à rede elétrica. A Ocean Power Technologies, a companhia de New Jersey responsável pela produção, tem a aprovação federal para um fabrico inicial de 10 dispositivos geradores, capazes de fornecer energia a 1000 casas. Mas muitos mais se seguirão.
Estes dispositivos, cada um com um peso de 260 toneladas serão instalados a 4 km da costa, sendo monitorizados de terra.
A Ocean Power Technologies procurou otimizar o rendimento de cada bóia através do uso de alta tecnologia. A inclinação e posição relativa de cada dispositivo são controladas por um computador de bordo, que calcula as características de cada onda de forma independente.

Aproveitamento da energia das ondas

É no estado do Oregon que o maior investimento na energia das ondas está a ser feito, muito devido às condições ideais da zona oceânica Noroeste do Oceano Pacífico.
A energia das ondas é essencialmente a acumulação de energia do vento e no Pacífico Norte, tal como no Sul da Europa e América do Sul, existe vento constante, capaz de provocar ondas de forma consistente.
A forma como as ondas se propagam, ao longo de grandes distâncias, cria uma enorme área de energia aproveitável.

Além disso, no âmbito do plano de mapeamento costeiro do Oregon, um projeto de longo prazo que decorre há vários anos, é concluída no final de 2012 a demarcação das zonas ótimas para aproveitamento de energia das ondas.

O aproveitamento da energia das ondas não é ainda uma ciência exata pelo que os diversos projetos em curso têm características bastante distintas, tanto quanto ao tipo de equipamento utilizado, como ao posicionamento relativo desse equipamento.

Alguns projetos preveem a instalação de geradores no fundo oceânico enquanto outros preconizam a instalação de geradores acima ou sobre a superfície do mar.

Devido ao enorme interesse que os grandes grupos de investimento estão a ter pela energia das ondas, os grupos ambientalistas temem que a utilização destes dispositivos depressa se torne massiva e descontrolada, pondo em risco o equilíbrio oceânico.

Lembre-se que também Portugal foi pioneiro a nível mundial na aplicação comercial da pesquisa do aproveitamento da energia das ondas, embora sem grande sucesso, devido ao abandono prematuro do financiamento por parte do Governo e a uma série de infortúnios técnicos.

Imagens do fabrico e funcionamento de boias para aproveitamento da energia das ondas

Aproveitamento da energia das ondas

Aproveitamento da energia das ondas

Aproveitamento da energia das ondas

Aproveitamento da energia das ondas

Aproveitamento da energia das ondas

Imagens : The New York Times, Ocean Power Technologies
Fonte: The New York Times




Outros artigos interessantes:




2 Comentários a EUA Apostam no Aproveitamento em Larga Escala da Energia das Ondas

  1. Americanos Desenvolvem Nova Geração de Turbinas para Aproveitamento de Energia das Ondas | EngenhariaCivil.com

    […] Safrema Energy, uma empresa da Flórida, EUA, desenvolveu um sistema revolucionário de aproveitamento de energia hidráulica que permite a geração de eletricidade a partir do movimento das ondas, marés e correntes […]

  2. 96 milhões de bolas de plástico usadas para proteger reservatórios de água na Califórnia | EngenhariaCivil.com

    […] esta semana despejadas num reservatório de água em Los Angeles, EUA. A operação faz parte de um projeto de larga escala, que representou um investimento de 35 milhões de dólares e que fez uso de 96 milhões de bolas […]

Comentar

* Obrigatório