Engenheiros britânicos criam betão reforçado com grafeno que é 146% mais resistente que o betão tradicional

Engenheiros britânicos criam betão reforçado com grafeno que é 146% mais resistente que o betão tradicional

Uma equipa de Engenheiros Civis da Universidade de Exeter desenvolveu uma técnica pioneira de fabrico de betão, que faz uso de tecnologias de nano engenharia para a possibilitar a incorporação de grafeno. A técnica permite obter um betão muito mais resistente, durável e ambiental que o betão corrente.

A técnica passa pela suspensão e dispersão, em água, de películas de grafeno de espessura atómica. Está água é depois diretamente utilizada na argamassa de cimento, possibilitando que a técnica possa ser aplicada com elevada eficiência e à escala industrial.

De acordo com os investigadores, o novo material compósito oferece um aumento de 146% na resistência à compressão e um incremento de 79,5% na resistência à flexão, quando comparado com o betão tradicional. Pode ser usado, sem qualquer restrição, em toda a gama de aplicações deste último.
É também 400% menos permeável que o betão corrente, tornando-o mais durável e adequado para estruturas localizadas em áreas sujeitas a inundação. Este incremento na durabilidade possibilita o seu uso em zonas de difícil acesso, nas quais a manutenção das estruturas é mais difícil e dispendiosa.

O método de produção usado é igualmente mais sustentável e ambiental, oferecendo uma redução drástica da pegada ecológica em relação aos processos de fabrico atualmente usados.
A quantidade de materiais necessários à obtenção do betão de grafeno é 50% inferior à do betão tradicional, o que conduz a uma diminuição de 446 kg/tonelada de emissões de gases poluentes.

Segundo os engenheiros britânicos, o betão com grafeno cumpre também as normas de construção britânicas e europeias, tendo potencial para ser adotado como material estrutural de excelência no setor da engenharia civil.

Fonte: EngenhariaCivil.com; Universidade de Exeter | Imagens (adaptadas): EngenhariaCivil.com; via Universidade de Exeter




Outros artigos interessantes:




Comentar

* Obrigatório