Novos modelos computacionais de edifícios permitem a avaliação da estabilidade estrutural com base em vibrações ambientais

19 Outubro, 2016.

Novos modelos computacionais de edifícios permitem a avaliação da estabilidade estrutural com base em vibrações ambientais

Uma equipa de investigadores do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) desenvolveu um modelo computacional inovador que, com base na vibração da estrutura de um edifício, provocada por fatores ambientais externos, como a passagem de um veículo pesado, possibilita a avaliação da estabilidade e saúde estrutural.

Este tipo inovador de modelo estrutural tem aplicação direta na monitorização de danos estruturais e determinação da distribuição de esforços, incluindo a identificação de pontos críticos, mais sensíveis a degradação precoce e ao aparecimento de diferentes tipos de patologia.

A avaliação fornecida pelo modelo tem também um caráter contínuo, fornecendo a evolução do estado de conservação da estrutura ao longo do tempo.

O modelo computacional estrutural foi pela primeira vez testado no Edifício Verde do MIT, composto por uma estrutura de 21 pisos de betão armado.
O edifício foi dotado de 36 acelerómetros que forneceram um conjunto alargado de dados referentes aos movimentos globais da estrutura. De acordo com os investigadores, esta rede de sensores funciona como uma espécie de sistema nervoso do sistema, fornecendo ao modelo computacional um influxo de dados suficiente para a avaliação e previsão do comportamento estrutural.

A simulação do comportamento do Edifício Verde do MIT implicou a construção de um modelo base de elementos finitos e a associação a cada um dos componentes da estrutura, como lajes, vigas e pilares, de determinados fatores de resistência e densidade, entre outros.

Uma das inovações do modelo do MIT é a introdução de métodos de interferometria sísmica que permitem compreender a forma como um determinado padrão de vibração se propaga desde as fundações do edifício até à cobertura.

Fonte: MIT | Imagens (adaptadaa): via MIT




Outros artigos interessantes:




Comentar

* Obrigatório