Fabrico de betão celular autoclavado com integração de resíduos municipais

21 Junho, 2016.

Fabrico de betão celular autoclavado com integração de resíduos municipais

A Faculdade de Engenharia Ambiental e dos Materiais da Universidade de Yantai está a desenvolver um estudo pioneiro na área da utilização de resíduos municipais reciclados na produção de betão celular autoclavado.

O novo processo faz uso de cinzas de fundo resultantes da incineração de resíduos sólidos municipais e cinzas volantes obtidas a partir de combustão em leito fluidizado com recirculação (CFBC). Na primeira é obtido alumínio, que é utilizado como agente de arejamento enquanto a segunda serve como fonte de sílica.

O objetivo principal do estudo foi obtenção de uma redução significativa dos custos de produção de betão celular autoclavado (AAC) através da integração de resíduos em elevada percentagem.

Ao contrário das cinzas volantes resultantes da incineração de resíduos sólidos municipais, as cinzas de fundo possuem substâncias tóxicas em quantidades relativamente pequenas, podendo ser facilmente integradas no fabrico de materiais de construção. São especialmente vocacionadas para uso em forma de agregado ou material cimentício suplementar.

Os investigadores da Universidade de Yantai conseguiram obter, através da mistura em certas proporções, de cinzas de fundo resultantes da incineração de resíduos sólidos municipais, cinzas volantes, cimento e cal, um betão com propriedades muito semelhantes ao betão celular autoclavado fabricado apenas com materiais correntes.

Fonte e Imagens (adaptadas): Universidade de Yantai; “An Attempt to Reduce Materials Cost of Autoclaved Aerated Concrete Production” – Zhijuan Wang, Yuanming Song e Baoling Li




Outros artigos interessantes:




Comentar

* Obrigatório