O Sistema que Defende Nova Orleães dos Furacões

31 Agosto, 2012.

Defesa de cheias

Após os trágicos acontecimentos do furacão Katrina, Nova Orleães desenvolveu um dos mais sofisticados sistema de defesa contra cheias alguma vez construído. Este sistema integrado, de 14 mil milhões de dólares, é constituído por um conjunto de estruturas de controlo de cheias, incluindo muros, diques, comportas, elevadores hidráulicos e estações de bombagem e foi usado recentemente para defesa contra o furacão Isaac.

O sistema, dimensionado para cheias de 100 anos, foi desenvolvido com a coordenação do U.S. Army Corps of Engineers (USACE) e conta atualmente com a maior barreira de defesa de cheias do mundo, com cerca de 3.2 km de extensão e 8 m de altura.

Defesa de cheias

Este muro de defesa foi construído para impedir que as águas do Golfo do México penetrem no Lago Borgne, inundando Nova Orleães.
A estrutura da barreira é, na sua quase totalidade, constituída por estacas circulares de betão com comprimento de 45 m e 1,7 m de diâmetro, reforçada e refechada com estacas secundárias. A fundação é encimada por vigas de betão armado, recobertas até à altura de 8 m.

Defesa de cheias

Defesa de cheias
A construção esteve a cargo do grupo Norte Americano, Shaw.

O centro nevrálgico do sistema de defesa situa-se num edifício em betão armado de alta resistência, que está preparado para resistir a furacões de categoria 5 (como foi o caso do Katrina). Este edifício é completamente autónomo em termos energéticos podendo albergar 60 pessoas durante duas semanas, sem qualquer contacto exterior. Além de instalações de comunicações e monitorização por vídeo e satélite, o edifício possui uma pequena fábrica de assemblagem de sacos de areia, para contenções de emergência. Este centro monitoriza em permanência o nível das águas e permite o controlo remoto de todas as comportas.

Uma vez que uma parte significativa da cidade de Nova Orleães se situa abaixo do nível do mar, as estações de bombagem são um dos componentes chave do sistema, permitindo a bombagem rápida de água para o sistema de canais de escoamento, em situação de cheia repentina.
As cabines de controlo de bombagem ficam situadas 10 m acima do solo e foram concebidas para suportar ventos superiores a 400 km/h, permitindo abrigar os operadores em condições ideais de segurança.

Defesa de cheias

Os diques são também uma parte fundamental do sistema. E Nova Orleães está rodeada, em quase todo o seu perímetro por este tipo de estruturas, que servem de última defesa, impedindo que as águas entrem na cidade.
Os diques são, em geral, constituídos por muros em T de betão armado assentes sobre estacas metálicas. Sob estes muros existe uma cortina de estacas prancha em todo o desenvolvimento.

Defesa de cheias

Defesa de cheias

Defesa de cheias

Defesa de cheias

Defesa de cheias

Defesa de cheias

Defesa de cheias

Imagens: The New York Times, Boston Globe, Discovery News
Fonte: The New York Times, Odebrecht, CNN




Outros artigos interessantes:




2 Comentários a O Sistema que Defende Nova Orleães dos Furacões

  1. Sistema Inovador de Defesa Contra Cheias Utiliza Insufláveis Para Elevar Barreiras | EngenhariaCivil.com

    […] “usando a água para reter a água”, o sistema conceptual “Water Dyke” de defesa contra cheias utiliza a própria subida de águas como meio de elevação das barreiras de proteção. O sistema […]

  2. Conferência Internacional sobre a Costa, Portos e Estruturas Marítimas 2016 | EngenhariaCivil.com

    […] , em Teerão, no Irão. Esta é uma das mais antigas e prestigiadas conferências, nas áreas da defesa costeira, gestão portuária e projeto e construção de estruturas marítimas, do Golfo […]

Comentar

* Obrigatório