Como a Ventilação dos Poços de Elevadores Está a Custar 11 Milhões por Ano à Cidade de Nova Iorque

1 Abril, 2015.

Como a Ventilação dos Poços de Elevadores Está a Custar 11 Milhões por Ano à Cidade de Nova Iorque

A organização americana Conselho de Ambiente Urbano, em colaboração com a consultora de Engenharia Civil, Steven Winter Associates, publicou um relatório que revela que a perda de calor através dos dispositivos de ventilação em poços de elevadores poderá estar a custar aos países desenvolvidos várias centenas de milhões de euros por ano.

Apesar do estudo “Spending Through the Roof” se centrar na realidade norte-americana e incidir, em particular, nos edifícios de Nova Iorque, o problema pode ser extrapolado para grande parte dos centros urbanos de outros países.

O processo de perda de calor ocorre, de uma forma geral, através do fluxo de ar desde o piso térreo até à cobertura. Este fluxo é promovido pelas aberturas no topo do edifício, que permitem a manutenção de uma renovação adequada do ar interior, bem como pelos acessos de pessoas e bens ao exterior, desprovidos de qualquer mecanismo de isolamento ou proteção.
É sobretudo a inexistência de dispositivos adequados de controlo dos fluxos de ar, aliada à deficiente qualidade de construção dos edifícios, que determina a entrada de ar frio do exterior e a fuga de calor pela cobertura.

Entre outras considerações o relatório propõe duas soluções que permitiriam reduzir drasticamente o efeito de perda de calor pelos poços dos elevadores e coberturas. A primeira passa pelo controlo motorizado automático das aberturas de ventilação que alternariam entre a posição de totalmente fechado e totalmente aberto. A segunda solução proposta consiste no fecho parcial, de forma definitiva, das aberturas de ventilação, por intermédio de um elemento envidraçado.
Embora a primeira solução requeira um investimento inicial mais avultado, tem também melhores resultados, correspondendo a uma poupança anual média de 1200 dólares por edifício.

De acordo com o Conselho de Ambiente Urbano, o reequipamento de cada edifício em Nova Iorque teria um custo compreendido entre os 500 e 15 mil dólares e permitiria uma poupança anual total de 11 milhões de dólares em eletricidade, possibilitando igualmente uma redução de 30 mil toneladas de emissões de dióxido de carbono.

DOWNLOAD DO RELATÓRIO COMPLETO “Spending Through the Roof”

Fontes: Urban Green/US Green Building Council | Imagens (adaptadas): via Urban Green/ Spending Through the Roof




Outros artigos interessantes:




Comentar

* Obrigatório