Prevenção de acidentes no setor da construção através de dimensionamento virado para a segurança

15 Julho, 2016.

Prevenção de acidentes no setor da construção através de dimensionamento virado para a segurança

Um consórcio de institutos públicos e privados e de empresas do setor da construção, liderado pela Universidade do Oeste de Inglaterra (UWE Bristol), está a desenvolver um sistema que permitirá avaliar e classificar consultoras de engenharia e arquitetura com base na sua capacidade de projetar e construir de forma segura.

Uma parte significativa das cerca de 100 mil fatalidades anuais no setor da construção britânico e 1 milhão a nível mundial, estão diretamente associadas a fatores que poderiam ter sido minimizados em fase de projeto.

É, portanto, urgente a melhoria efetiva da segurança e saúde em obra por intermédio da implementação de medidas que promovam a prevenção em fase de projeto, com um dimensionamento virado para a segurança.

O novo sistema, que será acessível online funcionará precisamente com base no conceito DfS (Dimensionamento Virado Para a Segurança), previsto nos regulamentos de projeto europeus.
O DfS determina que o dimensionamento de edifícios e outras estruturas, bem como quaisquer tipos de modificação ou projetos de reabilitação devam ser realizados de forma a eliminar, reduzir ou controlar todos os riscos que previsivelmente possam surgir durante as fases de construção, manutenção e uso.

As características da cadeia de produção associadas a uma determinada empresa, os processos de desenvolvimento e o seu historial permitirão ao sistema produzir aquilo a que os investigadores chamaram DFS-CMI, um indicador de maturidade de capacidade de segurança para o setor da construção.

A detenção de um determinado grau de maturidade será um fator determinante na contratação pública e a autorização para a realização de projetos de obras privadas ficará condicionada pelo nível detido pelas empresas de projeto.

O desenvolvimento da nova ferramenta de Dimensionamento Virado Para a Segurança, que arrancará no próximo mês de outubro e se prolongará durante os próximos dois anos, é financiado pelo Conselho Britânico de Investigação e Ciências Físicas.
Conta com a intervenção de um conjunto alargado de parceiros, incluindo o Aeroporto de Heathrow, Mott MacDonald, Bam Construction, ISG, Nick Bell Risk Consultancy, GCP Architects, Safety in Design, Universidade de Loughborough e Universidade da Carolina Este.

Fonte: UWE Bristol; EngenhariaCivil.com | Imagem (adaptada/ilustrativa): via Hickory Group




Outros artigos interessantes:




Comentar

* Obrigatório