O domínio dos edifícios residenciais super-altos sobre os tradicionais arranha-céus

30 Maio, 2016.

O domínio dos edifícios residenciais super-altos em Nova Iorque sobre os tradicionais arranha-céus

Os arranha-céus são a forma mais extrema de otimização do uso do exíguo espaço disponível em centros sobrelotados de grandes metrópoles.  Para além desta vertente funcional estas construções são também um símbolo de status, especialmente no que diz respeito ao mercado imobiliário residencial.

Em Manhattan os tradicionais arranha-céus, com mais de 150 metros de altura, estão rapidamente a ser substituídos pelos chamados “super-altos”, torres com altura superior a 300 metros e, dentro de muito pouco tempo, pelos colossais “mega-altos”, com mais de 600 metros de altura.

O motor desta mudança é o mercado residencial e a crescente demanda por apartamentos de luxo nos pisos superiores de torres cada vez mais esbeltas e com áreas de implantação extremamente reduzidas.

Para tal os projetistas de estruturas e construtoras estão a recorrer a novos materiais e técnicas construtivas que permitem a execução de edifícios mais eficientes e resistentes e com menor pegada ecológica.

Uma reportagem da cadeia de televisão norte-americana CBS News, analisa a forma como a procura de edifícios residenciais super-altos está a mudar radicalmente a linha do horizonte de Nova Iorque.

São apresentados os mais recentes super-altos a nascer em Manhattan, como a Torre Central Park, também conhecida como Torre Nordstrom, que ficará concluída em 2019 e terá mais de 470 metros de altura ou o “111 West 57th Street” com apenas 13 metros de largura e 411 metros de altura, considerado o mais esbelto do mundo.

É igualmente abordado o advento do uso da madeira laminada colada cruzada (CLT) na construção de edifícios de grande altura nos EUA, um material extremamente resistente e leve, sustentável e associado a baixa emissão de gases de efeito de estufa.

Fonte: CBS Sunday Morning/EngenhariaCivil.com | Imagens (adaptadas) e Vídeo: via CBS Sunday Morning/EngenhariaCivil.com




Outros artigos interessantes:




3 Comentários a O domínio dos edifícios residenciais super-altos sobre os tradicionais arranha-céus

  1. Torre diamante será um dos arranha-céus residenciais mais altos do mundo | EngenhariaCivil.com

    […] Com conclusão prevista para 2019, a construção da Torre Diamante, em Jidá, está a ser desenvolvida pela gigante do setor da construção civil da Arábia Saudita, Al-Masarat Construction. Este é um dos mais aguardados edifícios de grande altura da década, devido à sua invulgar geometria que inclui um volume central envolvido por uma estrutura elíptica exterior, que acompanha a torre em toda a altura. Quando concluída, a Torre Diamante terá 93 pisos e 432 metros de altura, tornando-se o segundo maior edifício do país e um dos arranha-céus residenciais mais altos do mundo. […]

  2. Torre Varso será o edifício mais alto da Polónia | EngenhariaCivil.com

    […] Partners e tem conclusão prevista para 2020. Os 140 mil metros quadrados de área interior do arranha-céus, serão ocupados por algumas das mais destacadas empresas da Polónia, bem como por zonas de […]

  3. Os incríveis arranha-céus residenciais de Hong Kong | EngenhariaCivil.com

    […] com uma densidade populacional superior a 6500 hab/km2 e que possui uma das maiores taxas de edifícios “super-altos” (com mais de 300 metros de altura) do […]

Comentar

* Obrigatório